Partilhar

Neurite intercostal: o que é, sintomas e tratamento

Por Dr. Francisco Zapata, Médico Puericultor, Pediatra e Redator. 3 maio 2019
Neurite intercostal: o que é, sintomas e tratamento

A neurite intercostal (ou neuralgia intercostal) é o termo que designa a inflamação de um ou vários nervos intercostais, assim como a dor e o resto dos sintomas que esta provoca.

Você deve saber que na borda inferior de cada costela existe um nervo intercostal, 12 de um lado e 12 do outro. Todos nascem na coluna vertebral e chegam até o esterno. Quando algum deles sofre inflamação, pelas causas que descrevermos em seguida, surge este quadro.

Neste artigo do ONsalus vamos explicar as diferentes causas da neurite intercostal, quais são os sintomas que provoca e qual é o tratamento apropriado para cada caso.

Também lhe pode interessar: Pernas dormentes: causas e soluções

Neurite intercostal: causas

Na maioria dos pacientes, a causa precisa da neurite não é clara. Sabe-se que é mais suscetível de desenvolver-se em pessoas mais velhas e em mulheres. A falta de certos nutrientes e o aparecimento de algumas doenças que afetam o fornecimento de sangue aos nervos são fatores importantes que contribuem para o seu desenvolvimento.

As principais causas da neurite intercostal são:

Estresse

Notou-se que, ao contrário de outras neurites, pessoas que frequentam ambientes que geram altos níveis de estresse são mais propensas e suscetíveis a desenvolver a neurite intercostal.

O estresse e o tipo da dor são o que, muitas vezes, levam a pessoa a pensar que pode se tratar de um problema cardiovascular.

Fatores emocionais

As pessoas que estão passando por períodos de depressão e/ou ansiedade, independentemente da causa, também são mais propensas a sofrer de neurite intercostal.

Observou-se que crianças cujos pais discutem frequentemente ou estão em época de separação ou divórcio, sofrem de neurite intercostal com uma frequência três vezes maior do que o resto das crianças.

Deficiências nutricionais

Diferentes tipos de deficiências nutricionais podem levar a neurite e neurite crônica. Em especial, a falta das vitaminas do complexo B (vitaminas B1, B2, B6 e B12) costumam causar neurite periférica.

Estas vitaminas são fundamentais para a adequada transmissão do impulso nervoso.

Infecções

Existem diferentes tipos de infecções que podem causar a neurite intercostal e, em último caso, a neurite crônica. Entre estas podemos mencionar: a doença de Lyme, a lepra, a doença por arranhão de gato, a sífilis, a difteria, a infecção por herpes simples e a catapora.

No caso das duas últimas, ambas são vírus herpes; quando são produzidas neurites por esta causa, em geral, são recorrentes e seu aparecimento está associado com uma prolongada exposição ao sol ou febre.

Doenças predisponentes

Algumas condições podem fazer com que uma pessoa seja mais vulnerável a sofrer de neurite intercostal. Entre estas podemos considerar: o hipotiroidismo, a diabetes mellitus, a porfiria, a beribéri, as doenças autoimunes (esclerose múltipla, lúpus eritematoso sistêmico, sarcoidose), a acidose crônica por insuficiência renal, anemia perniciosa e alguns tipos de câncer.

As doenças autoimunes estão mais comumente associadas com a neurite óptica.

Trauma/Lesões

Qualquer tipo de lesão direta sobre um nervo causa sua inflamação e leva ao desenvolvimento dos sintomas da neurite. Existem diferentes tipos de lesões do tórax que são localizadas e podem envolver um ou vários nervos intercostais.

Os diversos meios de lesão destes nervos incluem:

  • Lesão física: a lesão direta (lesão penetrante) do nervo e a compressão do nervo causam a neurite. É o caso da pessoa que sofre algum tipo de acidente e recebe um trauma torácico direto. Os mais comuns são os acidentes de trânsito, quando a pessoa choca contra o volante do veículo ou é atropelada. Também é frequente no caso da síndrome da criança maltratada. As pancadas diretas no tórax da criança podem causar a neurite intercostal.
  • Lesões por radiação: a radioterapia utilizada no tratamento do câncer (em geral, de pulmão) pode causar lesões nos nervos, o que leva ao desenvolvimento da neurite.
  • Lesão química: certos medicamentos, que são administrados por injeção, podem causar lesões químicas nos nervos. Também pode ocorrer como um efeito colateral de alguns medicamentos utilizados durante a quimioterapia. O envenenamento metálico, como o por arsênico, também pode causar a neurite química.

Medicamentos e toxinas

A toxicidade produzida como resultado de certos contaminantes ambientais, medicamentos, metais e outras substâncias químicas também pode causar a neurite intercostal. Os inseticidas, o chumbo, o mercúrio, o metanol, o arsênico e o alcoolismo crônico são algumas das sustâncias que contribuem com o desenvolvimento da neuralgia intercostal.

Também foram relatados casos de neurite intercostal (e outras neurites) em pacientes que utilizam há muito tempo medicamentos para baixar o colesterol (estatinas), a artrite e a pressão arterial.

Neurite intercostal: sintomas

O sintoma da neurite intercostal mais característico é a dor. É uma dor que é definida como "surda", por ser sentida profundamente e ser difícil definir sua localização.

Também é comum que a pessoa reduza a expansão do tórax ao respirar, pois a inspiração profunda aumenta a dor.

Outro elemento clássico é a persistência da dor, que se prolonga por horas e se mantém constante, com períodos ocasionais de agravamento.

O sinal que permite que o médico estabeleça o diagnóstico é que, ao pressionar o tórax ao longo da borda da costela, a dor atinge sua maior intensidade, causando interrupção da inspiração, e podendo levar à sudoração fria e até mesmo causar náuseas.

Neurite intercostal: tratamento

Neurite intercostal: diagnóstico

O mais importante é estabelecer o diagnóstico e deixar claro de que se trata de uma neurite e não tem nenhuma relação com algum problema cardiovascular. O estresse ou ansiedade que provocaram a neurite, associados à possibilidade de que se trate de um infarto, potencializa a dor. Fazer o diagnóstico e deixar claro para o paciente que com o tratamento indicado a dor desaparecerá significa ganhar 50% da batalha. A partir disto será feita a indicação do tratamento adequado para cada caso.

Neurite intercostal tem cura?

Em geral, é uma dor que responde muito bem à administração de analgésicos anti-inflamatórios não esteroides. Estes deverão ser tomados com um relaxante muscular por ao menos 5 dias, a fim de permitir que não se comprima o nervo em cada respiração.

Além disso, será adicionada a ingestão de vitaminas do complexo B por ao menos um mês.

Caso detecte-se que a neurite ocorre devido a alguma infecção viral ou por alguma lesão ou trauma, esta será associada com seu tratamento correspondente. O mesmo será feito caso seja detectada como causa de alguma infecção ou doença predisponente.

A atividade física deverá ser limitada durante ao menos 15 dias para permitir que o tecido nervoso desinflame totalmente e o nervo comece o processo de regeneração.

Este artigo é meramente informativo, no ONsalus.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos médicos nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Convidamos você a recorrer a um médico no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Neurite intercostal: o que é, sintomas e tratamento, recomendamos que entre na nossa categoria de Cérebro e nervos.

Bibliografia
  • Kerkar, P. (10 de abril de 2018). What is neuritis & chronic neuritis, know its types, causes, symptoms, treatment. Acessado em 20 de fevereiro de 2019, de Pain Assist: https://www.epainassist.com/nerves/what-is-neuritis-and-chronic-neuritis

Escrever comentário sobre Neurite intercostal: o que é, sintomas e tratamento

O que lhe pareceu o artigo?
2 comentários
JOSEMAIRE PEREIRA DA SILVA
Qual médico trata de neurite intercostal?
Eliza Faganello
Tive uma neurite intercostal provocada por um choque elétrico na mão direita. Ficaram sequelas, mesmo após 18 anos tenho dor.

Neurite intercostal: o que é, sintomas e tratamento
Neurite intercostal: o que é, sintomas e tratamento

Voltar ao topo da página