Partilhar

Úlceras genitais em mulheres: causas e tratamento

 
Por Dra. Ivonne Nieves Blanco, Médica Cirurgiã. 11 janeiro 2021
Úlceras genitais em mulheres: causas e tratamento

Os genitais femininos são suscetíveis a sofrer lesões, úlceras ou feridas. As feridas genitais em mulheres surgem frequentemente durante a fase sexualmente ativa e é o resultado de uma doença sexualmente transmissível ou de outras causas capazes de desencadear esta alteração, como o contato com detergentes, peças de roupa, traumatismos ou arranhões. Contudo, as doenças sexualmente transmissíveis são uma das causas mais comuns.

A seguir, neste artigo do ONsalus, você verá muito mais sobre as úlceras genitais em mulheres: causas e tratamento.

Herpes genital

A herpes genital é contagiada quando a pele de uma pessoa não contagiada entra em contato com a ferida de uma pessoa infectada, ocorrendo frequentemente durante as relações sexuais. É uma doença viral que provoca o aparecimento de feridas genitais nas mulheres, as quais podem se espalhar até o ânus. Nos casos onde seja praticado sexo oral, esta lesão pode aparecer na boca.

Tratamento

O médico indicará um tratamento com medicamento antiviral por via oral e local, dependendo do estado das lesões.

Verrugas genitais

A presença do que se conhece como verrugas nos genitais nas mulheres pode provocar o aparecimento de úlceras muito dolorosas devido à infecção pelo Vírus do Papiloma Humano (HPV). Estas lesões não são perigosas, no entanto, costumam ser incômodas.

Tratamento

O ginecologista examinará a área genital para verificar o tipo de lesão e iniciará o tratamento com tricloroacético 80 ou 90%, assim como ácido bicloroacético. Depois você deve esperar a verruga ficar branca, após 30 minutos enxague o ácido com bastante água. Este fará com que a lesão se solte, ficando em seu lugar uma verruga dolorosa.

Este tratamento deve ser repetido uma vez na semana até que ela desapareça completamente.

Sífilis

Esta doença sexualmente transmissível aparece através de uma úlcera aberta pequena e indolor,que surge entre 2 a 5 semanas após o contato sexual com uma pessoa infectada.

Tratamento

Ficará a cargo de um médico, o qual passará como tratamento um antibiótico como a Bencilpenicilina benzatina. Este pode fornecer 2,4 milhões de unidades a nível muscular em uma única dose. Nos casos onde a pessoa seja alérgica à penicilina, será indicado o Eritromicina 500 mg via oral a cada 6 horas por 14 dias.

Quando a ingestão de Eritromicina não for suficiente, o tratamento será reforçado com Tetraciclina.

Cancro mole

Esta também é uma doença sexualmente transmissível, no entanto é causada pela bactéria chamada Haemophilus ducreyi, que provoca úlceras genitais na mulher, podendo aparecer uma ou várias delas. São moles e dolorosas, sangram com facilidade na região da vulva ou da vagina. Além disso, costumam vir acompanhadas de gânglios linfáticos palpáveis e dolorosos, e febre.

Tratamento

Após avaliação, o médico ou médica se encarregará de indicar um tratamento farmacológico com antibióticos como Eritromicina de 500 mg ou Ceftriaxona via injetável intramuscular de 250 mg.

Molusco contagioso

É uma infecção viral que surge na pele e é transmitida entre adulto através do contato sexual. Causa o aparecimento de úlceras vulvares na região do períneo, na parte interna das coxas ou na parte inferior da barriga.

Tratamento

Consiste na remoção das lesões, cauterização e crioterapia, bem como na aplicação de ácido Tricloroacético em cada uma das lesões.

Granuloma inguinal

Esta infecção é causada pela Calymmatobacteriun granulomatis, sendo mais frequente em homens, no entanto, pode aparecer em mulheres. Provoca uma úlcera não dolorosa na região da vulva, vagina ou cérvix, a qual pode chegar à região inguinal com lesões que sangram ao menor contato.

Tratamento

O tratamento indicado pelo médico é farmacológico, com antibióticos como a Doxiciclina de 100/mg a cada 12 horas por 3 semanas.

Linfogranuloma venéreo

Esta infecção é causada por uma bactéria conhecida como Chlamydia trachomatis e seu período de incubação dura aproximadamente de uma a quatro semanas. Após este tempo, aparece uma pápula ou úlcera indolor na região da vulva,resultado do contato sexual com uma pessoa infectada.

Tratamento

O médico passará um tratamento farmacológico com antibióticos como Doxiciclina ou Eritromicina de aproximadamente 21 dias.

Dermatite atópica

É um problema crônico que se caracteriza pela presença de erupções vermelhas que causam coceira na região da vulva ou vagina. É causada por uma reação na pele, a qual provoca o aparecimento de inchaço e vermelhidão, que podem vir gerar as úlceras na vulva.

Tratamento

O tratamento será indicado pelo médico de acordo com os sintomas que o paciente apresentar. Primeiramente, será recomendado utilizar anti-histamínicos de uso tópico ou por via oral.

Além de pomadas ou cremes a base de esteroides, que serão aplicados de acordo com o que o médico indicar, é recomendado cuidar da higiene na área genital.

Dermatite de contato

Neste caso, a pele da área genital fica vermelha, dolorosa e inflamada depois do contato com detergentes, amaciantes de roupa, perfumes, cremes, pomadas ou banhos vaginais. Isto causará coceira, inchaço e o aparecimento de úlceras nos genitais.

Tratamento

Se baseará em cuidar da higiene da área genital, o médico recomendará a limpeza com bastante água para retirar qualquer substância química que possa estar causando a reação, além de aconselhar a aplicação de corticoides em creme ou pomada para aliviar os sintomas.

Se os sintomas persistirem, serão indicados corticoides por via oral por aproximadamente 12 dias.

Cisto de Bartholin

Consiste no aumento de volume das glândulas de Bartholin localizadas ao lado da abertura vaginal. Trata-se do acúmulo de líquido na glândula, a qual pode vir a ser infectada, provocando o aparecimento de um abscesso ou úlcera genital nas mulheres.

Costuma vir acompanhada de vermelhidão, inchaço, dor e presença de uma ferida que impossibilita algumas ações como se sentar ou caminhar.

Tratamento

O médico recomendará banhos de assento com água morna durante 1 ou 2 dias após a drenagem da lesão quando se tratar de um abscesso. Nos casos de infecção, o especialista recomendará antibióticos.

Se o aumento de volume continuar, o médico ou médica indicará a remoção cirúrgica.

Traumatismos ou arranhões

Um traumatismo ou arranhão na área genital das mulheres pode levar ao aparecimento de úlceras ou feridas genitais, as quais virão acompanhadas de dor, inflamação e limitação ao caminhar ou sentar.

Tratamento

O tratamento se baseará em manter a a área em questão higienizada, além de indicar antissépticos locais e cremes ou pomadas para aliviar os sintomas que o paciente apresentar. Entre estes, é preciso mencionar os analgésicos e anti-inflamatórios.

Se você apresentar algumas destas lesões, consulte seu ginecologista para que ele te indique o tratamento que deve seguir de acordo com os sintomas que apresentar.

Este artigo é meramente informativo, no ONsalus.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos médicos nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Convidamos você a recorrer a um médico no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Úlceras genitais em mulheres: causas e tratamento, recomendamos que entre na nossa categoria de Sistema reprodutor feminino.

Bibliografia
  • Ángel-Müller, E., González, M. P., Núñez, L., Pacheco, J., Tolosa, J. E., Díaz, L. A., ... & Gaitán-Duarte, H. (2010). Frecuencia de infecciones del tracto genital femenino en mujeres sintomáticas y uso de pruebas rápidas para su diagnóstico en dos poblaciones de Bogotá (Colombia) 2008. Estudio piloto. Revista Colombiana de Obstetricia y Ginecología, 61(3), 220-230.
  • López, M. J. G., Álvarez, M. B. A., & Páez, R. M. (2007). Úlcera vulvar aguda. Progresos de Obstetricia y Ginecología, 50(7), 443-445.

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?

Úlceras genitais em mulheres: causas e tratamento
Úlceras genitais em mulheres: causas e tratamento

Voltar ao topo da página