menu
Partilhar

Bolinhas no clitóris: por que aparecem e como tratá-las

 
Por Redação ONSalus. Atualizado: 9 maio 2021
Bolinhas no clitóris: por que aparecem e como tratá-las

É lógico que você fique preocupada, pois toda lesão na região genital acaba sendo mais sensível do que as normalmente vemos. Bolinhas na região próxima ao clitóris e no próprio clitóris podem ocorrer por diferentes problemas: infecções, reações medicamentosas, doenças inflamatórias e, inclusive, os tão temidos tumores que podem começar assim.

Para colaborar, esclarecemos por que aparecem bolinhas no clitóris e como tratá-las neste artigo do ONsalus.

Também lhe pode interessar: Dor no clitóris pós parto

Infecções

Entre as infecções que podem causar o aparecimento de bolinhas no clitóris, temos:

Impetigo

Trata-se de uma infecção por estafilococos bastante contagiosa que costuma surgir em crianças, mas também em casos de excesso de umidade, traumatismos ou falta de higiene.

Aparece com pequenas bolinhas que, ao estourarem, levam ao aparecimento de crostas branco-amareladas.

O tratamento para curá-las é feito com antibiótico e limpeza local.

Fungos vaginais

É uma infecção bastante comum causada por cândida. Pode afetar toda a região genital até o ânus e, inclusive, a própria área vaginal. Apresenta-se como áreas avermelhadas com manchas esbranquiçadas e lesões ulcerativas. Você pode sentir:

  • Comichão;
  • Ardência;
  • Incômodo durante as relações sexuais ou depois de tê-las.

O que fazer?

O tratamento costuma incluir um antimicótico local, tanto em creme quanto em óvulos vaginais. Em infecções recorrentes, pode ser necessário o tratamento via oral e por um tempo maior.

Diminuir o consumo de farinhas, açúcar refinado, alimentos processados, laticínios e carnes também é muito útil e comprovado que auxiliam no tratamento.

Para mais informações veja o artigo candidíase vaginal: sintomas, tratamento e prevenção.

Infecção por HPV

O vírus do papiloma humano (HPV) pode permanecer latente por muito tempo e se manifestar na região genital como placas esbranquiçadas, ulcerações ou verrugas, tanto na área interna (colo do útero) quanto na área externa.

A via de contágio mais comum é a sexual sem proteção.

O que fazer?

Dependendo do tipo das lesões que apresentar, pode ser feito um tratamento com laser, crioterapia ou excisão da lesão através de microcirurgia.

Abscesso no clitóris

Trata-se de uma lesão infectada com acúmulo de pus. Não é frequente e costuma ocorrer como consequência de traumatismos ou mutilações. Pode surgir após a chamada circuncisão feminina, já que estas costumam ser feitas violentamente e sem as condições de higiene adequadas.

O que fazer?

Em caso de abscesso deve ser feita a abertura do mesmo para conseguir remover o material purulento. Além disso, costumam ser prescritos tratamentos locais, antibióticos e anti-inflamatórios (devido ao fato deste tipo de lesão causar muita dor).

Vitíligo

O vitiligo é uma doença inflamatória da pele de causa desconhecida na qual ocorre a despigmentação da pele (clareamento da mesma) em manchas, devido a isso pode se manifestar com manchas esbranquiçadas.

Pode aparecer em diferentes áreas da pele, inclusive na região genital. A pele ao redor que não estiver afetada costuma parecer completamente normal. Para o diagnóstico talvez seja necessário fazer uma biópsia.

Tratamento

Entre os tratamentos típicos estão os corticoides e o inibidor de calcineurina (tacrolimus). Melhorar a digestão e os hábitos podem trazer certas melhorias, embora se trate de uma doença crônica que muitas vezes pode piorar.

Líquen escleroso

Trata-se de um transtorno pouco frequente que provoca o aparecimento de manchas brancas e afinamento da pele. Frequentemente, afeta os genitais (inclusive o clitóris) e a região anal, mas pode afetar qualquer área do corpo.

Além disso, pode haver outros sintomas, como:

  • Comichão;
  • Ardência, dor;
  • Vermelhidão na área;
  • Manchas avermelhadas elevadas;
  • Bolhas;
  • Úlceras;
  • Sangramento;
  • Dor durante as relações sexuais.

Tratamento

Não são conhecidas as causas pelas quais aparecem estes tipos de lesões. Os tratamentos são voltados em reduzir os incômodos e as lesões, sendo que para isto costuma-se recorrer ao uso de corticosteroides em creme. Não é aconselhado o uso prolongado deste tipo de medicação, mas é possível indicar sua aplicação diversas vezes na semana por várias semanas.

Estes tipos de doenças crônicas costumam estar bastante relacionadas aos hábitos de vida. É por isso que a alimentação saudável, o descanso adequado e a prática de atividade física ajuda muito para melhorá-las.

Entre os remédios caseiros recomendados temos:

  • Lavar a área íntima com sabonetes neutros e secá-la suavemente;
  • Evitar usar roupas íntimas irritantes (muito sintéticas);
  • Aplicar compressas frias para aliviar a ardência e dor;
  • Aplicar água de aveia também pode te ajudar a aliviar os incômodos.

Crescimentos anormais

Embora não sejam muito frequentes, os seguintes crescimentos anormais também podem se manifestar com bolinhas esbranquiçadas:

Cisto epidérmico

Trata-se de um crescimento anormal de tecido na região mais externa da pele. É muito raro, e ainda mais raro de aparecer no clitóris, mas existe esta possibilidade.

Tem um crescimento lento, podendo começar como uma simples elevação da pele.

Cisto de inclusão

É o aparecimento de uma lesão, mas com origem em uma área um pouco mais profunda. Pode surgir de forma secundária ao trauma. Seu aparecimento tem sido descrito em casos de mutilações genitais femininas.

Tumor

É mais raro ainda, mas também deve ser levado em consideração, sobretudo pela gravidade do quadro. Tratam-se de lesões que podem começar como manchas, as quais vão crescendo e podem gerar sintomas como ardência, dor e sangramento.

Nas primeiras etapas, pode ser confundida com outros problemas, como por exemplo, uma infecção, por isso que você deve ficar atenta aos casos em que não ocorre o tratamento esperado.

Diante de lesões que crescem e não se curam é importante consultar um médico ou médica. Estes profissionais são capazes de avaliar a causa te fazendo algumas perguntas, examinando-a e solicitando uma biópsia ou exames quando necessário.

Normalmente, a remoção da lesão costuma ser suficiente para acabar com o problema. Em alguns casos, pode ser necessário outro tipo de tratamento mais intensivo, com medicamentos ou radioterapia, mas isto é pouco frequente.

Uso de certos medicamentos

Foi descrito que o tratamento para as verrugas genitais com Imiquimod pode provocar o aparecimento de manchas na pele com coloração esbranquiçada (hipopigmentação), similar ao que ocorre em casos de vitiligo.

Esta medicação costuma ser utilizada para tratar lesões verrugosas na pele ou lesões cancerígenas e tem sido observado que este efeito de clareamento nas manchas é mais acentuado nos genitais. Aquelas que relataram estes casos dizem não terem conseguido fazer com que a pele volte a ter sua coloração normal.

Este artigo é meramente informativo, no ONsalus.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos médicos nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Convidamos você a recorrer a um médico no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Bolinhas no clitóris: por que aparecem e como tratá-las, recomendamos que entre na nossa categoria de Sistema reprodutor feminino.

Bibliografia
  • Stamm AW, Kobashi KC, Stefanovic KB. Urologic Dermatology: a Review. Curr Urol Rep. 2017 Aug;18(8):62. doi: 10.1007/s11934-017-0712-9. PMID: 28667573.
  • Mauskar MM, Marathe K, Venkatesan A, Schlosser BJ, Edwards L. Vulvar diseases: Approach to the patient. J Am Acad Dermatol. 2020 Jun;82(6):1277-1284. doi: 10.1016/j.jaad.2019.07.115. Epub 2019 Nov 8. PMID: 31712174.
  • Resende FS, Conforti C, Giuffrida R, de Barros MH, Zalaudek I. Raised vulvar lesions: be aware! Dermatol Pract Concept. 2018 Apr 30;8(2):158-161. doi: 10.5826/dpc.0802a16. PMID: 29785335; PMCID: PMC5955085.

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?

Bolinhas no clitóris: por que aparecem e como tratá-las
Bolinhas no clitóris: por que aparecem e como tratá-las

Voltar ao topo da página