Lesões e doenças do tórax

Caroço entre as costelas e o estômago: causas e tratamento

 
Magce Bonilla
Por Magce Bonilla, Química. 20 julho 2023
Caroço entre as costelas e o estômago: causas e tratamento

Várias condições podem provocar o surgiimento de um caroço entre as costelas e o estômago e ser motivo de alarme e preocupação. Em geral, a formação de um nódulo nessa área costuma estar associada a hérnias, abscessos, massas de tecido adiposo, cistos ou eventrações abdominais, às vezes causando sintomas leves e, em outros casos, desconforto intenso, como dor abdominal aguda, náusea, vômito e diarreia.

Quando esses desconfortos se manifestam de forma contínua, o inchaço abdominal ou a presença de um nódulo é motivo suficiente para ir imediatamente ao médico para uma avaliação detalhada da situação, o que permitirá fazer um diagnóstico e estabelecer o tratamento adequado. Você sente um nódulo entre as costelas e o estômago e não sabe a que ele pode se referir? Neste artigo do ONsalus, explicamos as principais causas e os possíveis tratamentos.

Também lhe pode interessar: Dor entre as costelas: causas e tratamento

Índice

  1. Lipoma
  2. Hérnia de hiato
  3. Abscessos
  4. Eventração abdominal
  5. Cisto mesentérico
  6. Processo xifoide do esterno
  7. Câncer de estômago

Lipoma

Os lipomas são nódulos de tecido adiposo que crescem lentamente entre a pele e a camada muscular. Eles são identificados como tumores benignos que se desenvolvem superficialmente e, portanto, às vezes podem ser facilmente vistos e sentidos. São indolores e geralmente aparecem em qualquer parte do corpo, principalmente nas costas, ombros, pescoço, braços, coxas e entre as costelas e o estômago. Elas se desenvolvem em diferentes tamanhos, desde muito pequenas até um tamanho considerável, facilmente visíveis e palpáveis.

A causa dessas massas gordurosas está geralmente associada a fatores genéticos, obesidade, lesões ou pancadas, condições médicas, consumo excessivo de álcool, entre outros motivos, e geralmente se manifestam em pessoas de meia-idade.

Normalmente, os lipomas não são incômodos, mas os grandes podem ser dolorosos porque pressionam os nervos ou têm muitos vasos sanguíneos.

Tratamento

A maioria dos lipomas não requer tratamento, mas os grandes que causam dor e limitam a mobilidade da pessoa devem ser removidos por lipoaspiração ou extração cirúrgica.

Caroço entre as costelas e o estômago: causas e tratamento - Lipoma

Hérnia de hiato

A hérnia hiatal ocorre quando a parte superior do estômago se projeta por uma abertura no diafragma, fazendo com que o alimento e o ácido do estômago retornem facilmente para o esôfago.

Essa hérnia pode ser pequena e não apresentar sintomas, mas quando é grande o suficiente, pode causar refluxo ácido, indigestão, inchaço, dor no peito, arrotos contínuos e dificuldade para engolir. Além disso, pode ser sentida uma protuberância entre as costelas e o estômago. É comum em pessoas com mais de 50 anos e fumantes.

Geralmente é causada pelo estiramento dos tecidos que conectam o hiato, o esôfago e o diafragma e pelo aumento da pressão abdominal. Isso geralmente ocorre como resultado de lesões causadas por cirurgia, anormalidades congênitas do hiato, obesidade, tosse crônica, constipação ou levantamento frequente de peso.

Tratamento

O tratamento é estabelecido quando a hérnia de hiato produz sintomas. Se houver refluxo, o médico assistente pode prescrever medicamentos específicos para neutralizar a produção de ácido e uma dieta com baixo teor de gordura, com foco em carnes magras e peixes brancos, frutas maduras e vegetais. É importante fazer refeições menores e mais frequentes.

Se a hérnia for grande e o desconforto não for controlado com medicamentos, o especialista pode sugerir uma cirurgia para evitar complicações.

Abscessos

Os abscessos são bolsas cheias de pus, quase sempre causadas por uma infecção bacteriana que, às vezes, pode se formar no estômago, entre as costelas, na pélvis, perto do fígado, do pâncreas ou de outros órgãos. No entanto, a condição também pode ser causada por um apêndice rompido, um ovário perfurado, cirurgia no abdômen, úlcera perfurada ou doença vesicular intestinal.

Eles se desenvolvem como nódulos infecciosos de diferentes tamanhos visualizados por ultrassom e tomografia computadorizada, especialmente aqueles localizados no interior do corpo. Dessa forma, o especialista pode determinar a localização exata e apontar o diagnóstico correto, pois às vezes eles podem ser confundidos com outras patologias.

A maioria das pessoas com abscessos manifesta dor aguda contínua, febre e mal-estar geral, embora, dependendo do local do nódulo, os sintomas possam variar ou se tornar mais intensos, causando náusea, falta de apetite e perda de peso.

Tratamento

O tratamento nesses casos inclui a drenagem do pus e a administração de antibióticos, dependendo do micro-organismo específico responsável pela infecção. A drenagem pode ser feita por incisão com uma agulha e um tubo flexível ou por cirurgia, dependendo do julgamento do médico responsável pelo tratamento. O importante é remover a purulência localizada o mais rápido possível. Também é essencial usar antibióticos além da drenagem para evitar a disseminação da infecção e o desenvolvimento de complicações irreversíveis, como a septicemia.

Eventração abdominal

A eventração abdominal é causada pela má cicatrização de uma fissura feita na parede abdominal durante a cirurgia. Essa situação leva a um enfraquecimento da parede e o conteúdo abdominal pode vazar, causando obstruções.

Há várias causas que podem impedir a cicatrização adequada da ferida e formar eventrações, incluindo obesidade, dieta inadequada ou falta de determinadas vitaminas. Elas também podem ser causadas por complicações durante a cirurgia ou por uma técnica de fechamento ruim por parte do cirurgião.

A eventração se manifesta como um nódulo ou tumor que deforma a parede abdominal, exatamente onde a cicatriz está localizada, causando dor intensa, inflamação e até febre.

Tratamento

Essa patologia é tratada com cirurgia aberta ou laparoscopia, após avaliação e ponderação médica, para evitar complicações como o aprisionamento das vísceras em um orifício estreito.

Atualmente, o especialista utiliza telas ou próteses de parede abdominal para reforçar anatomicamente a lesão abdominal.

Cisto mesentérico

Os cistos mesentéricos são tumores benignos raros que contêm líquido e tecido membranoso. Eles aparecem na área abdominal envolvendo o intestino delgado e podem, às vezes, dependendo do tamanho, estar localizados entre as costelas ou até mesmo ocupar uma grande parte do abdômen.

Sua origem não é bem definida, mas geralmente surgem devido à obstrução dos dutos linfáticos, doenças congênitas, divertículos, cirurgias e doenças pélvicas.

A sintomatologia desses cistos não é imediata, geralmente aparecendo quando o tumor ou nódulo cresce o suficiente para causar dor intensa na área abdominal, náusea, vômito e constipação.

Tratamento

É possível remover o cisto mesentérico por aspiração e recessão parcial de seu conteúdo. No entanto, existe a possibilidade de que ele apareça novamente, por isso o especialista recomenda, dependendo da particularidade do caso, eliminá-lo por meio de cirurgia para garantir a remoção completa do cisto.

Processo xifoide do esterno

O processo xifoide corresponde à parte inferior do esterno, onde se inserem os músculos do abdome e alguns ligamentos envolvidos no processo respiratório. É uma estrutura óssea pequena e saliente que pode sofrer fraturas, inflamações, formação de nódulos ou tumores e afetar qualquer tecido.

Os nódulos nessa área do corpo não são frequentes, mas, quando aparecem, geralmente são malignos e envolvem outros órgãos próximos. Geralmente ocorre em pessoas mais velhas e é mais prevalente em homens.

Esses tumores podem variar de tamanho e crescer progressivamente sem causar desconforto até que o tumor tenha avançado. No entanto, ele causa dor no peito e no abdome médio, febre, calafrios, edema local e problemas respiratórios.

Tratamento

O tratamento desses casos é complexo e, normalmente, o especialista sugere cirurgia para remover o nódulo ou o tumor, dentro do possível. Às vezes, é necessário reconstruir a parede torácica e realizar quimioterapia e radioterapia no caso de lesões malignas.

Câncer de estômago

O câncer de estômago envolve o crescimento excessivo de células nessa área do corpo, que pode começar na parte superior do abdome médio, logo abaixo das costelas ou próximo à junção gastroesofágica, e formar uma massa ou nódulo de crescimento progressivo.

Esse tipo de tumor não é imediatamente palpável ou visível, mas a maioria é encontrada quando a doença está avançada e surgem desconfortos como dor abdominal aguda, vômitos, fezes pretas, sensação de saciedade após pequenas refeições, perda de peso e fadiga.

Vários fatores de risco podem estar ligados ao desenvolvimento dessa doença, incluindo gastrite atrófica crônica, dieta rica em conservantes de nitrito e nitrato, tabagismo, histórico familiar de câncer de estômago, entre outros.

Tratamento

Dependendo da particularidade do caso, o especialista propõe as alternativas de tratamento mais adequadas e viáveis para o paciente, levando em conta os benefícios, os possíveis riscos e os efeitos colaterais.

As principais opções de tratamento se concentram na cirurgia para remover o tumor, parte do estômago e todos os linfonodos próximos, embora isso dependa do tipo e do estágio do câncer.

A quimioterapia e a radioterapia também podem ser recomendadas para tratar a doença, dependendo da situação clínica do paciente, a fim de reduzir o tumor ou impedir a reprodução das células cancerígenas.

A imunoterapia também é recomendada para tratar o câncer de estômago, especificamente quando ele está muito avançado. Geralmente é indicada em conjunto com a quimioterapia.

Agora que você já sabe as causas e tratamentos para o caroço entre as costelas e o estômago, não perca este outro artigo sobre caroço na clavícula.

Caroço entre as costelas e o estômago: causas e tratamento - Câncer de estômago

Este artigo é meramente informativo, no ONsalus.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos médicos nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Convidamos você a recorrer a um médico no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Caroço entre as costelas e o estômago: causas e tratamento, recomendamos que entre na nossa categoria de Ossos, articulações e músculos.

Bibliografia
  • Caballero, A. y col. (2007). Quiste mesentérico como causa de abdomen agudo. Disponível em: http://www.scielo.org.bo/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1012-29662007000100012
  • Casteleiro, P. y col, (2010). Lipomas y compresión nerviosa. Disponível em: https://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0376-78922010000100008
  • Manual MSD. (2023). Abscesos abdominales. Disponível em: https://www.msdmanuals.com/es-ve/hogar/trastornos-gastrointestinales/urgencias-gastrointestinales/abscesos-abdominales
  • Sebastián, J. (2001). Hernia de Hiato. Disponível em: https://www.elsevier.es/es-revista-farmacia-profesional-3-articulo-hernia-hiato-revision-10021991

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?
1 de 3
Caroço entre as costelas e o estômago: causas e tratamento