Partilhar

Como saber se tenho fimose

 
Por Dra. Gennesis Gonzalez, Médica Cirurgiã. 3 novembro 2020
Como saber se tenho fimose

A fimose é definida como o estreitamento da pele que recobre a glande, ou seja, do prepúcio. É uma condição normal e comum em crianças e que costuma desaparecer sem a necessidade de tratamento durante os 5 primeiros anos de vida do menino. Quando isto não ocorre e permanece até a fase adulta, pode levar ao aparecimento de inflamações constantes tanto na glande quanto no prepúcio, dificultando por sua vez a atividade sexual e a micção, e aumentando consideravelmente o risco de infecções no sistema urinário.

A circuncisão é o tratamento médico-cirúrgico que corrige a fimose quando esta condição é grave e não volta ao normal naturalmente com o passar dos anos.

A fimose não deve ser confundida com o freio curto. Este último é um transtorno que se torna evidente durante as relações sexuais, quando no momento em que o pênis se estica durante a ereção, há a presença de dor intensa. Além disso, existe o risco de que apareçam feridas e sangramento, uma vez que o freio não tem tamanho suficiente para deixar a cabeça do pênis (glande) completamente descoberta enquanto permanece ereto.

Se quer saber mais sobre este tema, te convidamos para que continue lendo este artigo do ONsalus sobre como saber se tenho fimose.

Como saber se tenho freio curto

O freio é a pequena camada de pele em forma de triângulo ou V que fica na parte inferior do pênis, sendo encarregado por unir a glande com a parte interna do prepúcio. Normalmente, o freio fica oculto atrás do prepúcio e aparece durante a ereção.

Esta área, dentro de suas funções, representa uma área erógena masculina, mantendo o prepúcio na posição adequada (sobre a glande), protegendo a glande e facilitando as relações sexuais após o deslocamento do prepúcio.

Raramente, os homens têm relações sexuais dolorosas ou dispareunia, a qual se deve a vários fatores, destacando-se entre todos eles a presença do freio curto ou frenulum breve, que afeta quase metade das pessoas que têm relações sexuais dolorisas.

É comum que os homens que tenham o freio curto sofram de:

  • Infecções recorrentes, como a candidíase ou a balanite.
  • Micções dolorosas.
  • Coceira na região íntima.
  • Dispareunia ou relações sexuais dolorosas.
  • Risco de ruptura e sangramento do freio.

Além disso, homens com freio curto podem sofrer de parafimose, uma complicação que representa uma emergência médica, já que se trata do estrangulamento da cabeça do pênis, justamente no frênulo bálano-prepucial.

A presença do freio curto pode ser congênita ou pode ser consequência da fimose. Em qualquer um dos casos, o tratamento incluirá:

  • Cirurgia do freio curto: ou frenuloplastia realizada pelo urologista através de uma pequena incisão para diminuir a tensão que o freio possui durante a ereção do pênis. Isto faz com que a retração seja mais simples. É uma cirurgia bastante simples e, felizmente, é minimamente invasiva. O tempo de recuperação é de 4 semanas, aproximadamente.
  • Exercícios: existem alguns exercícios de alongamento que poder ser benéficos para tratar o freio curto. Um deles consiste em retrair a pele o máximo possível sem sentir dor, contar 30 segundos e empurrar o prepúcio novamente para frente. Faça isto durante 5 minutos, ao menos 2 vezes ao dia e por pelo menos 4 semanas para que o efeito seja perceptível.

Como saber se tenho fimose

Os homens, desde que nascem, apresentam um processo fisiológico "normal" conhecido como fimose. É o estreitamento da pele que reveste a glande ou a cabeça do pênis, chamado prepúcio, e se parece como uma espécie de camada ou tecido fibroso medicamente chamada de aderência balanoprepucial.

É normal que em recém-nascidos seja difícil retrair a pele que cobre a glande para deixá-la descoberta. Em linhas gerais, aos 4 anos de idade, a criança deve retrair seu prepúcio sem problemas e, se isto não for possível, é normal ocorrer nos próximos anos, de forma que quando chegue a puberdade possa fazer isso sem limitações, com o crescimento do pênis e as ereções espontâneas contribuindo com isto.

O que se sabe é que durante os primeiros anos da criança o ideal é que este processo ocorra por conta própria e sem forçá-lo.

A fimose é um transtorno que dificulta a higienização no pênis e, além disso, torna as relações sexuais dolorosas. Muitas vezes, a fimose é confundida com o freio curto, mas não significam a mesma coisa. Para saber se você tem fimose, você deve detectar a presença de alguns sintomas como:

  • Dificuldade para deixar a cabeça do pênis descoberta.
  • Dor nas ereções.
  • Dor durante as relações sexuais.
  • Dor quando se tenta retrair o prepúcio.
  • Coceira no prepúcio e, inclusive, presença de pus ou secreção esbranquiçada por má higiene.
  • Inflamação do prepúcio.
  • Dificuldade para urinar.
  • Aparecimento de parafimose quando a glande não passa pelo anel prepucial e, portanto, não pode voltar à posição normal. Isto representa uma emergência médica.

A fimose é classificada em três tipos:

  • Puntiforme: neste caso a micção é dificultosa, o estreitamento do prepúcio é somente na área do orifício.
  • Cicatricial: a micção pode ser dificultosa, neste caso, a parte externa da pele do prepúcio é dura, resultado da inflamação crônica, traumatismos ou infecções por fungos.
  • Anular: finalmente, a fimose anular se caracteriza pelo prepúcio que não é totalmente retraído, formando um anel ao redor da cabeça do pênis, impedindo que o sulco balânico seja perceptível.

Fimose: operação

Uma vez que o especialista tenha comprovado a presença da fimose, ele indicará o tratamento: uma intervenção cirúrgica chamada circuncisão, na qual o anel do prepúcio ou a pele que recobre o pênis seja corrigida, deixado a glande ou cabeça do pênis descoberta.

A cirurgia consiste em remover parte da pele do pênis de forma que a glande fique descoberta. Este costuma ser o tratamento tanto para a fimose quanto para o freio curto, sendo feita com anestesia local no caso dos pacientes adultos e com anestesia geral no caso das crianças.

Quando a fimose não é tão severa, a realização de alguns exercícios pode facilitar a mobilização do prepúcio sobre a glande, isto pode ser feito junto com a aplicação de pomadas que o especialista indicar.

Por fim, é bom saber que é pouco provável que depois da adolescência a fimose regrida sozinha. Por outro lado, se acha que está com o freio curto, não deixe de consultar um especialista para determinar qual é a melhor forma de tratá-lo.

Como saber se tenho fimose - Fimose: operação

Este artigo é meramente informativo, no ONsalus.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos médicos nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Convidamos você a recorrer a um médico no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Como saber se tenho fimose, recomendamos que entre na nossa categoria de Sistema reprodutor masculino.

Bibliografia
  • CASTRO, F., CASTRO, F., & RABY, T. (2010). Fimosis y Circuncisión. Revista chilena de pediatría, 81(2), 160-165.
  • Lopez, W. A. B., & Rodríguez, A. A. (2006). Fimosis fisiológica: circuncisión¿ sí o no?. Medicina, 11(1), 66-72.

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?

Como saber se tenho fimose
1 de 2
Como saber se tenho fimose

Voltar ao topo da página