menu
Partilhar

Doenças da glande mais comuns

 
Por Redação ONSalus. 7 junho 2021
Doenças da glande mais comuns

A saúde dos órgãos sexuais é de vital importância em ambos os sexos. Apesar disso, os homens vão com menos frequência do que as mulheres consultar médicos(as) por causa dos seus órgãos sexuais.

A glande é uma parte do pênis que tem um risco maior de apresentar lesões por conta de diversas causas. Algumas delas são a falta de higiene e o contato sexual com pessoas que têm doenças sexualmente transmissíveis ou outros tipos de infecções genitais. A seguir, neste artigo do ONsalus, te explicamos quais são as doenças da glande mais comuns, para que saiba identificá-las e consulte um médico quando for necessário.

O que é a glande e qual sua função

A glande é a cabeça ou ponta do pênis, onde fica a abertura da uretra. Por este lugar saem o sêmen, durante a ejaculação, e a urina. É a parte com maior sensibilidade do pênis.

É de cor rosada ou avermelhada, é mais grossa que o resto do pênis, sendo coberta desde o nascimento por uma dobra de pele solta chamada prepúcio, que pode ser retraída para trás, deixando a glande descoberta quando o pênis está ereto. O prepúcio é a pele que recobre a glande e mantém a mucosa úmida. Nos homens que fazem a circuncisão, o pênis permanece exposto e seco.

A glande faz parte do órgão genital masculino e desempenha as seguintes funções:

  • Estímulo sexual: a glande é a parte do pênis com maior sensibilidade. Aumenta de tamanho com o estímulo pela chegada do sangue aos corpos cavernosos e esponjosos, ambos encontrados no corpo do pênis.
  • Expulsão do sêmen: pela área da glande ocorre a saída do sêmen durante a ejaculação. O ducto que chega até a glande e através do qual o esperma sai é conhecido como meato urinário.
  • Expulsão da urina: através da glande também é possível excretar a urina. Esta é transportada da bexiga até o exterior pelo meato urinário.

Doenças da glande mais comuns

Existem doenças que se desenvolvem no órgão sexual masculino, em especial na glande, e ocorrem por diferentes causas, as quais você conhecerá a seguir:

Transtornos anatômicos

  • Fimose: esta alteração surge quando a pele que envolve o pênis, chamada de prepúcio, não pode ser retraída, o que causa problemas de higiene. Isto é algo que pode ser visto desde o nascimento e precisa de tratamento cirúrgico.
  • Parafimose: ocorre naqueles casos em que o homem ou a criança não foi circuncidada e o prepúcio fica preso atrás da cabeça do pênis, ou seja, não pode voltar para sua posição normal.

Balanite

É a inflamação do prepúcio e da glande causada pela falta de higiene. É mais frequente em homens que não foram circuncidados.

Esta alteração também pode surgir devido ao uso de sabonetes fortes e por não se secar direito depois do banho. Além disso, existem outras causas da balanite, como:

  • Infecções bacterianas.
  • Doenças como a artrite.
  • Diabetes mal controlada.

Problemas funcionais

  • Priapismo: se caracteriza por ser uma ereção dolorosa e persistente que pode durar mais de 4 horas. Tende a ser gerada pela ingestão de certas substâncias que estimulam a ereção, drogas ou bebidas alcoólicas.
  • Hipospádia: esta é uma alteração congênita, faz com que o pênis não se desenvolva normalmente. Os homens com este problema apresentam a abertura do mesmo, por onde sai a urina, em outro lugar na glande. Esta abertura pode estar entre o períneo e a glande, mas não no final. A hipospádia afeta tanto a estética quanto a funcionalidade do órgão sexual masculino. A fertilidade pode ser afetada devido ao fato de que podem surgir problemas para urinar e para manter relações sexuais.

Doenças sexualmente transmissíveis

  • Sífilis: doença sexualmente transmissível muito comum que causa a presença de feridas conhecidas como cancros. Estas lesões não são doloridas, mas podem ser transmitidas. Podem aparecer no pênis, no escroto ou no ânus. Esta doença deve ser tratada a tempo, do contrário, pode causar problemas graves como paralisia, dano cerebral e cegueira.
  • Cancroide: se trata de uma lesão da pele ou da mucosa genital causada pelo Haemophilus Ducreyi. Caracteriza-se pelo aparecimento de pápulas que se transformam em úlceras dolorosas e adenomegalias. Depois de um período de incubação de 3 a 7 dias, a infecção pode se disseminar para outras áreas da pele, causando fimose, estenose uretral e fístulas uretrais.
  • Linfogranuloma venéreo: é uma infecção de origem bacteriana causada pela Chlamydia Trachomatis. É uma doença sexualmente transmissível que se caracteriza pela presença de um ferida pequena e indolor nos genitais masculinos, podendo passar despercebida. Posteriormente, ataca os gânglios linfáticos.
  • Condiloma acuminado: são lesões verrugosas com tamanho de 1 a 10 mm, podendo ser de cor rosada ou arroxeada. Estão localizadas no meato urinário, afetado a passagem normal da urina. Estas lesões por contato sexual são geradas por um papilomavírus.
  • Molusco contagioso: esta alteração é produzida por uma infecção viral da pele nos adultos, sendo uma doença sexualmente transmissível. As lesões aparecem no órgão genital, são arredondadas e da cor da pele, ficando avermelhadas e inflamadas, além de causarem coceira.

Problemas traumáticos

  • Doença de Peyronie: este problema surge quando a ponta do pênis fica curvada por causa de traumatismos, sequelas ou microtraumatismos durante as relações sexuais.
  • Linfangite esclerosante do pênis: esta alteração é frequente em homens com uma vida sexual ativa entre os 18 e 45 anos de idade. Está relacionada com traumatismos no pênis durante as relações sexuais. Apresenta-se como um cordão duro, fino, esbranquiçado e translúcido no sulco coronal ou no dorso do pênis. Pode afetar o prepúcio e a glande.

Condições dermatológicas

  • Pápulas peroladas: são pequenos pontinhos que aparecem no sulco coronal ou na glande. Estas lesões não requerem tratamento, já que não estão relacionados com infecções ou com alguma doença.
  • Granulomas sebáceos: seu aparecimento na pele dos genitais é frequente, ocorrendo devido ao funcionamento incorreto das células do sistema imunológico. Caracteriza-se pela presença de um nódulo no pênis ou na região escrotal. Pode ser apenas um ou vários, é indolor e requer remoção cirúrgica.
  • Balanite xerotica obliterans: esta é uma alteração crônica que produz atrofia da pele do prepúcio e da glande. Aparece na forma de pápulas, logo, as lesões se unem e formam grandes placas. Pode afetar o meato uretral, lugar por onde sai a urina, e quando isto acontece, pode causar estreitamento e dificuldade para urinar.

Tumores e câncer

  • Eritroplasia de Queyrat: esta doença é conhecida como Bowen da glande, costuma surgir quando o órgão sexual masculino não foi circuncidado. Esta lesão acontece na superfície do pênis e é conhecida como uma forma precoce de câncer de pele localizado no pênis. Surge uma erupção cutânea avermelhada onde a pele é vista irritada, está relacionada com o vírus do papiloma humano.
  • Condiloma gigante: esta alteração é conhecida como tumor de Buschker-Lonwenstein (TBL), tal doença é transmitida sexualmente. É uma lesão verrugosa localizada no pênis, especificamente na área da glande.
  • Câncer de pênis: assim é chamado o crescimento de células malignas, o que pode provocar o crescimento de um tumor ou deformidade no pênis.
Doenças da glande mais comuns - Doenças da glande mais comuns

Doenças da glande mais comuns: sinais e sintomas

O aparecimento dos seguintes sinais e sintomas indicam que você deve consultar um médico:

  • Presença de sangramento ao urinar ou ejacular.
  • Transtornos ao ejacular.
  • Aparecimento de verrugas, nódulos, erupções cutâneas ou lesões no pênis na região genital.
  • Dor ou deformação do pênis.
  • Desconforto ao urinar.
  • Secreção através do pênis.
  • Diminuição do desejo sexual.
  • Aumento do desejo sexual de forma repentina em pessoas com idade avançada.

Como prevenir doenças na glande

Para evitar o aparecimento de doenças na glande, siga estes conselhos:

  • Mantenha relações sexuais seguras com o uso de preservativos e tenha certeza de que sua parceira ou parceiro não tenha doenças sexualmente transmissíveis.
  • Mantenha uma boa higiene da região genital para evitar o aparecimento de doenças no pênis.
  • Deixe suas vacinas em dia. É recomendado ter se vacinado para o vírus do papiloma humano, assim você ajuda a prevenir a presença de verrugas na área genital.

Nem todos os problemas que ocorrem no pênis podem ser prevenidos, por isso que é importante consultar seu urologista de confiança. Este especialista, após o diagnóstico clínico, indicará o tratamento a ser seguido de acordo com os sintomas que você apresentar.

Agora que você conhece as principais doenças da glande, não deixe de ler este outro artigo em que falamos sobre bolhas na glande depois da relação.

Este artigo é meramente informativo, no ONsalus.com.br não temos capacidade para receitar tratamentos médicos nem realizar nenhum tipo de diagnóstico. Convidamos você a recorrer a um médico no caso de apresentar qualquer tipo de condição ou mal-estar.

Se pretende ler mais artigos parecidos a Doenças da glande mais comuns, recomendamos que entre na nossa categoria de Sistema reprodutor masculino.

Bibliografia
  • Calderón-Jaimes, E. (1999). Tratamiento y prevención de las enfermedades de transmisión sexual. Salud pública de México, 41, 334-343.
  • Eymin, G., & Fich, F. (2003). Enfermedades de transmisión sexual. Disponível em: <http://publicacionesmedicina.uc.cl/TemasMedicinaInterna/pdf/EnfTransmisionSexual.pdf>. Acesso em 2 de junho de 2021.

Escrever comentário

O que lhe pareceu o artigo?

Doenças da glande mais comuns
1 de 2
Doenças da glande mais comuns

Voltar ao topo da página